Paróquia Imaculado Coração de Maria – Park Way – Brasília

Igrejas

Vídeo 01    Vídeo 02

Áudios – Antes e Depois

A Paróquia Imaculado Coração de Maria, no Park Way, foi teve seu templo inaugurado em 2008 e, desde então, várias tentativas foram postas em prática no sentido de garantir a inteligibilidade sonora em um ambiente acústico desfavorável. O padre Eduardo Peters nos solicitou um estudo e na primeira visita percebemos que o problema não era a qualidade da maioria dos equipamentos. Mesa de som Yamaha 01V, caixas acústicas Bose MA12, microfones sem fio Shure Beta. Mas ouvir bem  não depende somente de bons equipamentos. Foram feitas medições acústicas no local e criado um modelo em 3D no software de simulações EASE. Após vários dias de estudos, chegamos ao melhor posicionamento, angulação, volume e tempo de atraso das caixas acústicas. O índice de inteligibilidade (STI) médio  saltou de 0,46 para 0,54. Segundo a norma IEC 60268-16:2011, significa que o sistema passou de um limite mínimo de inteligibilidade para um valor relativo a um sistema de som de boa qualidade. Os músicos ficam posicionados no coro, ao fundo da igreja. Após avaliarem nossa proposta de realocá-los para a frente do templo, a comunidade achou por bem mantê-los no coro, por questões de espaço e boa adaptação. Foi dimensionado um PA mono, com fonte única, projetando som de trás para a frente. Trata-se de um sistema independente daquele do altar. Foi escolhida a caixa DXR15, da Yamaha, conhecida por sua ótima linearidade e pressão sonora. Foi adicionado um subwoofer do mesmo fabricante, o DXS15. A dupla revelou-se um conjunto bem harmônico. Os músicos dispõem agora de uma console digital, a Sounscraft Expression 2. As 18 bandas possuem cenas próprias e os operadores de áudio podem controlar remotamente o sistema a partir de qualquer lugar do templo por meio de um Ipad. Padre, comunidade e músicos disseram que estão muito satisfeitos com o resultado. O investimento valeu muito a pena. A próxima etapa é a realização de um tratamento acústico, que, caso seja aprovado, irá amenizar bastante os efeitos destrutivos provocados pelo forro côncavo e baixar consideravelmente o tempo de reverberação que, atualmente, chega quase aos 03 segundos, quando  a igreja já está ocupada com dois terços de lotação.